Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Há uma regra imutável de que precisamos sempre nos lembrar: se algum objetivo bom puder ser alcançado apenas por meios maus ou afinal ele não é realmente bom, ou então ainda não chegou a sua hora.
Leon Tolstoi
28/08/2013

Delegado da PF diz que "rei do feijão" ameaçava fiscais do trabalho em Unaí (MG)

O delegado da PF (Polícia Federal) Antônio Celso dos Santos, responsável pelas investigações da chacina de Unaí (606 km de Belo Horizonte), em que quatro funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego foram assassinados em 2004, nas proximidades do município mineiro, confirmou nesta terça-feira (27), primeiro dia do julgamento do caso em Belo Horizonte, que Nelson José da Silva, uma das vítimas, disse que Norberto Mânica, um dos acusados de ser o mandante do crime, ameaçava os fiscais que atuavam na região.

O delegado ainda confirmou perante o júri que havia o interesse de Mânica na eliminação do fiscal. "Pelo que pude perceber [durante as investigações], a fiscalização era bastante rígida. Ele [Mânica] estaria disposto a pagar pela eliminação dos fiscais do trabalho", afirmou Santos.

Norberto Mânica, fazendeiro e um dos maiores produtores de feijão do país, conhecido como o "rei do feijão", e seu irmão, o ex-prefeito de Unai Antério Mânica (PSDB), entre 2005 e 2012, foram denunciados como mandantes da chacina. O primeiro começa a ser julgado em 17 de setembro, na mesma sessão do júri iniciada nesta terça-feira (27). A data do julgamento do ex-prefeito não foi marcada.

Pela denúncia, a chacina de Unaí foi planejada em razão das diversas autuações trabalhistas de valores milionários contra Mânica, a maioria sobre a acusação da utilização de trabalho análogo à escravidão.

O alvo principal da ira dos irmãos Mânica era o auditor Nelson José da Silva, que atuava na região. Na inspeção que faria à fazenda do "rei do feijão", ele se juntou aos auditores de Belo Horizonte João Batista Lages e Erastótenes de Almeida Gonçalves, e foram conduzidos pelo motorista Ailton Pereira de Oliveira. Numa estrada vicinal de Unaí, os quatro foram assssinados.

Sentaram no banco dos réus nesta terça-feira (27), os acusados de serem os executores dos homicídios: Rogério Allan Rocha Rios, Erinaldo de Vasconcelos Silva e William Gomes de Miranda, que estão presos desde 25 de julho de 2004.

Em 17 de setembro, irão a júri, além de Norberto Mãnica, os acusados de serem intermediários: Norberto Mânica, Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Carvalho. Neste dia, também será julgado Humberto Ribeiro dos Santos, pelo crime de formação de quadrilha. Ele é acusado de atrapalhar as investigações.

A ordem do julgamento leva em conta o fato dos acusados de executores estarem presos e outros não.

Fonte: g1
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br