Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Jamais culpe o seu próximo antes de ter estado em seu lugar.
O Talmude
22/08/2013

Ideli diz que alternativa a fim de multa sobre FGTS é possível

BRASÍLIA, 21 Ago (Reuters) - A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse nesta quarta-feira acreditar que é possível a construção de uma alternativa ao fim da multa de 10 por cento do FGTS paga pelas empresas ao governo e que a extinção gradual da penalidade não está na perspectiva do governo.

O veto da presidente Dilma Rousseff ao projeto que extingue a multa paga em caso de demissões sem justa causa, que seria analisado na terça-feira, ficou para o mês que vem.

"É de fundamental importância que nós possamos ter garantias de que demissões imotivadas não ocorram, rotatividade de mão-de-obra não ocorra", disse Ideli a jornalistas, lembrando que os recursos arrecadados com a multa sobre o FGTS são usados no programa Minha Casa Minha Vida e que o fim da multa teria impacto de 3 bilhões de reais por ano nas contas do governo.

A ministra afirmou que o governo vai negociar com os parlamentares uma alternativa ao fim da multa, mas disse que, embora as negociações estejam abertas, a extinção gradual da penalidade "não está na perspectiva do governo".

A multa adicional foi instituída em 2001, para compensar perdas do FGTS por conta dos Planos Verão, em 1989, e Collor 1, em 1990. Os empregadores já pagam multa de 40 por cento sobre o saldo do FGTS para o empregado demitido sem justa causa.

No início do ano passado, a Caixa Econômica Federal passou a transferir a multa paga pelos empregadores diretamente ao Tesouro Nacional.

A ministra disse também que o governo irá negociar com as centrais sindicais um caminho para o fator previdenciário --mecanismo que limita o valor pago pelas aposentadorias -- e que as centrais querem extinguir.

Ela afirmou, entretanto, que o Palácio do Planalto não concorda com o fim desse mecanismo. "Não há da parte do governo nenhuma intenção pura e simples do fim do fator previdenciário", disse.

Ideli comemorou ainda a manutenção dos quatro vetos presidenciais analisados pelo Congresso na terça e disse que a postura de Dilma de se reunir com lideranças para tratar do assunto foi "determinante" para o resultado favorável ao governo.

"A manutenção dos quatro vetos que foram apreciados, mais do que tudo, é a consagração da busca da harmonia, da busca da conversação do acordo", disse.

"O resultado foi extremamente positivo para o país", acrescentou.

Fonte: g1
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br